Magno Malta garante que herança deixada pela presidente é desafio para novo governo

Ligado .

"Estamos diante de um corpo febril e assaltado de taxas altíssimas de diabetes. O país hoje é como um corpo diabético e febril, com uma perna cheia de gangrena, pronta para ser amputada. Se amputarmos a perna, salvaremos o corpo”. Com esta analogia, senador Magno Malta retrata a crise econômica, o desemprego e a falência que tiraram o sono dos brasileiros e por isso defendeu o afastamento da presidente, porém prevendo dias difíceis
 
“O PT destruiu os valores da família e durante 13 anos impôs uma política de aparelhamento do governo para servir ao chamado proletariado. Agora, estamos quebrando um ciclo para recomeçar e precisamos de muita paciência, pois o Brasil ainda não chegou no fundo do poço”, afirmou Magno.

Dilaceraram nossa economia e nos jogaram num fosso', afirma Magno Malta

Ligado .

Senador do Espírito Santo disse que o País virou chacota

BRASÍLIA - O senador Magno Malta (PR-ES) foi mais um senador a se manifestar a favor da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado. Malta foi o quarto a se pronunciar na tribuna após a reabertura da sessão pelo presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), nesta tarde. “Dilaceraram a nossa economia e nos jogaram num fosso, viramos chacota”, disse.

Ele ainda criticou os cortes feitos na educação pela presidente. “Ela chama de pátria educadora, mas o primeiro corte foi na educação”, afirmou.

Fonte: Estadão

Em discurso feroz, Magno Malta diz que Brasil tem que ‘amputar perna cheia de gangrena’

Ligado .

O discurso do senador Magno Malta (PR/ES), nono a discursar na sessão de admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff, era um dos mais aguardados na tarde desta quarta-feira, no Senado. Depois da “pegadinha” na votação do processo pela comissão especial da Casa, quando leu o voto do ministro Jacques Wagner durante o impeachment de Fernando Collor, em 92, como se fosse o seu, Magno arquitetou sua fala com um tom apontado como escatológico nas redes sociais.

“O Brasil é como um corpo diabético, febril, com uma perna cheia de gangrena, pronta para ser amputada”, disparou o parlamentar, lembrando que vem “de uma família de diabéticos”, citando inclusive tias que tiveram membros amputados em decorrência da doença

Malta, Ferraço e Romário engrossam discursos favoráveis ao impeachment

Ligado .

Dando como certo o resultado desfavorável à presidenta Dilma Rousseff na votação do Senado que analisa a admissibilidade do processo de impeachment contra ela, o senador Magno Malta (PR-ES), lamentou o momento político e disse que a ruptura “que acontecerá hoje a tarde” é triste, mas necessária.

Malta comparou o país com um doente diabético e febril que “há muito tempo precisa amputar a perna” para se salvar. “Este país febril vai ter restituída a sua saúde e sua energia. Amputemos a perna apodrecida para salvar o corpo e é preciso ter o tempo de cicatrização e recuperação”, disse, durante sua fala na tribuna.

Magno Malta diz que Dilma precisa ser 'amputada' do país

Ligado .

Senador capixaba foi o nono a discursar no Plenário durante a votação da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT)

O senador Magno Malta (PR) foi o primeiro parlamentar capixaba a discursar no Senado durante a votação da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). O parlamentar comparou o país à um corpo diabético e afirmou que a presidente precisa ser "amputada".

Magno Malta compara o país a paciente diabético que precisa de amputação

Ligado .

O discurso de Magno Malta (PR-ES) chamou a atenção na tarde desta quarta-feira, 11, ao comparar o país a um doente. Nas redes sociais, o discurso é apontado como tendo um tom escatológico.

"O Brasil é como um corpo diabético, febril, com uma perna cheia de gangrena, pronta para ser amputada", disse, lembrando que vem "de uma família de diabéticos".

Magno Malta afirma: “ hoje é o Dia do impeachment da presidente, mas o Brasil continua em queda livre”

Ligado .

Depois de votar pela cassação do senador Delcídio do Amaral, mais uma dura batalha com a forte presença do senador Magno Malta, promete registrar 11 de maio na história contemporânea do Brasil, com a votação em plenário pelo afastamento da presidente Dilma. “Hoje é dia de libertar a nação, de tirar as amarras que destruíram nossa pátria. Os êxitos não livram o governo de pagar pelos crimes cometidos”, disse Magno Malta

Já em plenário, o senador afirmou que, “não vou desmerecer o que houve de bom com Dilma e Lula, mas eles não estão autorizados a ficar acima da lei e se inocentarem dos crimes. Respeito os senadores da base, mas vou mostrar essa nação sofrida e depauperada”, assinala.

Brasília-DF // Esplanada dos Ministérios - Senado Federal - Ala Tancredo Neves, Gabinete 57
Telefone: +55 61 3303-4161/1656
E-mail: magnomalta@senador.gov.br

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADE
CONECTE-SE A NÓS