Magno Malta prevê que sabedoria de Salomão vai cassar Dilma pela soberba.

Ligado .

Durante o intenso debate do relatório da Comissão Especial, na tarde desta quinta-feira, senador Magno Malta, com formação acadêmica em teologia, afirmou em tom sereno, que o caminho mais curto para o tombo é a soberba, o próprio Rei Salomão cassará o mandato da presidente Dilma. A declaração foi compartilhada por milhares de usuários nas redes sociais. “A polêmica de hoje estava prevista, pois os derrotados não reconhecem a queda, mas, há 3 mil anos, Rei Salomão, em provérbios, mostrou a verdade enquadrando Dilma Rousseff e seus aliados”, ensinou Magno Malta.

Esta sexta-feira entra para a história moderna do Brasil. A Comissão Especial do Senado Federal vai votar o relatório do senador António Anastasia que recomenda o afastamento da presidente Dilma Rousseff. “Ouvimos com educação e respeito os argumentos da defesa e dos juristas, mas senadores maduros não trocam o voto por simples explicação sem fundamento. A ética não permite anunciar um placar, mas no plenário, a derrota será esmagadora”, disse Malta.

Magno Malta não quer cobrança de pedágio em rodovias para ambulâncias e doentes

Ligado .

O projeto de Lei de autoria do Senador Magno Malta, apresentado esta semana, dispõe sobre a isenção da tarifa de pedágio nas vias federais, exploradas direta ou indiretamente, pelos veículos que transportem pessoas com doença grave ou degenerativa. “Acho justo isentar da cobrança da tarifa de pedágio nas vias federais, exploradas direta ou indiretamente, os veículos particulares que transportem portadores de doença grave ou degenerativa nos termos desta Lei”, explicou Magno Malta.
 
“Sendo o sistema de saúde no Brasil desequilibrado, os centros de saúde são concentrados em poucas cidades. Em todo o país, milhares de pessoas portadoras de doenças graves ou degenerativas sofrem com a necessidade de se locomover para longe de seus municípios para passar por tratamentos médicos. Muitas dessas famílias são de poucas posses, de maneira que, além do sofrimento causado pela enfermidade, ainda pesam sobre elas os elevados custos com transportes”, justificou Magno.

'Homem nenhum pode parar a Lava Jato'


Ligado .

"Não tem homem neste país capaz de parar a Laja Lato". A afirmação foi feita hoje (3/4) pelo senador Magno Malta (PR), na Comissão do Impeachment.

Ele reiterou que vai votar pelo afastamento da presidente Dilma, mas disse que não acredita que o vice presidente, Michel Temer (PMDB) dê jeito no Brasil.

O senador queria desconstruir alegação do PT, de que com Temer a frente do governo, a Lava Jato acaba."Não acaba, hoje estão presos figuras ilustres do PT", disse o senador.

Senador Magno Malta é destaque na Comissão Especial e questiona juristas

Ligado .

Vocês viram as peças publicitárias da campanha da Dilma? Perguntou Magno Malta aos advogados da Dilma. Ela mentiu e pedalou. O desemprego é fruto da pedalada. Vocês advogados, podem defender, pois um dia eu também cometi este erro. Os mais ricos do Brasil estão presos e são amigos do Lula e da Dilma. Não tem como desmembrar este processo do jurídico do político. O conjunto da obra é a questão e cabe aos juízes esta decisão. Veja o vídeo

Magno Malta afirmou que Dilma mentiu ao camuflar a realidade econômica do país

Ligado .

“Eu preciso recorrer ao conjunto da obra porque nós temos hoje 11 milhões de desempregados. Dilma pedalou e mentiu no processo eleitoral”, resumiu Magno Malta, atuante na Comissão Especial do Senado que decidirá o rumo da presidente da República nesta sexta-feira

Na hora de defender o governo, no entanto, eles recorrem ao conjunto da obra, como reafirmou Magno Malta, na sessão da comissão especial do impeachment. Para advogados e juristas que defendem o governo, Magno manteve o mesmo discurso quando votaram os vetos da Lei de Responsabilidade Fiscal em dezembro de 2014, fato que considerou uma violação grave refletindo diretamente na economia do País.

Descriminalização do aborto volta a causar polêmica em Comissão

Ligado .

A legalização do aborto até as doze primeiras semanas de gestação foi tema de mais um debate na Comissão de Direitos de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). Na audiência pública desta quinta-feira (28), feministas e advogadas defenderam a regulamentação e o direito de escolha das mulheres, com base em sua dignidade e autonomia. Militantes de grupos pró-vida, contrários ao aborto, rejeitaram enfaticamente a proposta, a partir da visão de que a vida começa na concepção e desde esse momento deve ser protegida.

Brasília-DF // Esplanada dos Ministérios - Senado Federal - Ala Tancredo Neves, Gabinete 57
Telefone: +55 61 3303-4161/1656
E-mail: magnomalta@senador.gov.br

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADE
CONECTE-SE A NÓS