Notícias

Lei da Palmada aprovada no Senado e criticada por Magno Malta vira piada

Senador Magno Malta (PR/ES) concorda com boa parte do conteúdo da Lei da Palmada, mas criticou a manobra feita dando apenas o prazo de 1 hora para as correções e votada à toque de caixa. “Aceito as inúmeras manifestações de repúdio que estão surgindo em todo o Brasil, até já previa, mas o parlamento agiu sem pensar e atropelou o regimento. Os senadores vão pagar caro por votar contra a opinião pública em uma democracia representativa”, lamentou Magno Malta
 
Repercute mal, inclusive em tom de ironia, a chamada Lei da Palmada, aprovada no Senado Federal e deverá ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff, defensora maior da condução e aprovação da polêmica que marcou a semana no Congresso Nacional. “Eu pedi vistas de 5 dias para aprofundamos o debate, mas o próprio presidente do Senado, Renan Calheiros, de forma inédita, foi até a Comissão de Direitos Humanos e argumentou para votar no mesmo dia, dando apenas 1 hora para vistas, o que é impossível. Para provar que tudo estava armado, às 16 horas, Xuxa Meneghel, da Globo, chegou ao Senado, convidada pelo próprio Renan para acompanhar a votação”.

Além da manobra que feriu o regimento interno, Magno Malta tentou mostrar que 80% do conteúdo da Lei da Palmada já são contemplados no Estatuto da Criança e do Adolescente e que algumas dúvidas deveriam ser esclarecidas, pois o Brasil não foi ouvido e os senadores não tiveram tempo de aprofundarem nos debates ouvindo os diversos segmentos. “A coisa veio pronta e por isso o povo reagiu de forma irônica, ou seja, nasce uma lei sem credibilidade”, acentuou Magno.

Em todo o Brasil as opiniões contrárias e muita polêmica estão estampadas nos jornais e nas redes sociais. “Se mãe não puder agir com o filho, o que vai ser do mundo”? Perguntou a doméstica, Maria Raquel Florentino, de 46 anos, residente em Vitória. Na mesma enquete feita pela A Gazeta, conceituado jornal do Espírito Santo, o aposentado José Roberto de Oliveira, de 67 anos, afirma que “o governo está interferindo na família brasileira. Palmadinha é para corrigir, não para ferir”. A porteira Suely Dantas, de 58 anos, também alfinetou, “acho que a palmada faz até bem, corrige e não maltrata a criança”.

Assim, de forma dura, também nas redes sociais muitas charges e comentários criticando a inversão de valores. “Ainda bem que não votaram a Lei da Varada, pois meus filhos são corrigidos da mesma forma que meu pai ensinou e hoje sou um cidadão que não apanha da polícia”, comentou no face, Alberto Alceu, de Minas Gerais. Andreia Simões, do Rio de Janeiro, ironizou, “a Lei Xuxa vem para criar uma geração sem regras e sem lei. Quem não respeita pais não vai respeitar nenhuma autoridade”. De Porto Alegre, Marcos Schuller, arrematou, “só o tempo vai mostrar o erro dos senadores que votaram sem conhecer o projeto feito sob encomenda da presidente Dilma.”.

Senador Magno Malta também recebeu centenas de mensagens de apoio. “O importante disso tudo, é que sua voz foi ecoada no meio de inúmeros atos silenciosos de alguns”, postou Maria da Penha Rosa, do Amazonas. “O senhor foi o grande vencedor ao colocar-se contrário a esta armação eleitoreira. O Brasil não quer lei para ser desrespeitada e esta será”, previu o engenheiro Mário Caravelas de Souza, do Rio de Janeiro. “Filho sem correção é a vergonha do seu pai e a decepção da sua mãe”, enviou Carla Pimenta, de 15 anos, de Curitiba, apoiando o senador na luta para conter os abusos da nova lei.

Magno Malta leu em plenário um texto do de autoria do jornalista Ricardo Kostcho, assessor direto do ex-presidente Lula, que deixa claro que às famílias vem diminuindo o uso das palmadas, mas nem por isso a violência deixou de crescer. E para ilustrar esta verdade, seguem os números do Mapa da Violência contra a criança no País. O Brasil ocupa o 4º lugar, entre 99 países, no número de crianças e jovens assassinados. Perde apenas para El Salvador, Venezuela e Trinidad e Tobago. O crescimento nas últimas três décadas foi de 346%. Das dez capitais com o maior número de assassinato de crianças são: Maceió (AL), Vitória (ES), João Pessoa (PB), Salvador (BA), Recife (PE), Fortaleza (CE), Belém (PA), Curitiba (PR), Macapá (AP) e Natal (RN).

Assessoria de Imprensa

Brasília-DF // Esplanada dos Ministérios - Senado Federal - Ala Tancredo Neves, Gabinete 57
Telefone: +55 61 3303-4161/1656
E-mail: magnomalta@senador.gov.br

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADE
CONECTE-SE A NÓS