Notícias

Magno Malta: “Lula e Dilma agregaram para o Espírito Santo”

Em um discurso bastante enfático e inflamado, o senador Magno Malta (PR), candidato à reeleição, pediu votos para a sua coligação e para a candidata do Partido dos Trabalhadores (PT) à Presidência da República, a ex-ministra Dilma Rousseff.

Magno Malta disse que o presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), que apoia a candidatura de Dilma, foi o melhor “governador que o Espírito Santo já teve” e que Dilma foi a ministra que ajudou o Espírito Santo a sair da situação de “miséria” quando o governador Paulo Hartung (PMDNB) assumiu o cargo, em janeiro de 2003. Por isso, ressaltou o senador, o povo capixaba tem que votar em massa em Dilma Rousseff nas eleições de 3 de outubro.

A defesa a Lula e Dilma foi feita durante lançamento da campanha da candidatura da chapa encabeçada pelo senador Renato Casagrande (PSB), candidato ao governo do Estado, no cerimonial Porto Belo, no bairro Jardim Limoeiro, na Serra. Magno Malta estava ao lado também do segundo candidato ao Senado, Ricardo Ferraço (PMDB).

O senador informou que Lula foi o Presidente que mais visitou o Espírito Santo – 18 vezes. Sem citar nomes, lembrou que um ex-presidente veio aqui uma única vez ao Estado, “para ficar apenas 15 minutos na fábrica da Aracruz Celulose”. Magno Malta tem razão: Fernando Collor de Mello, antes de ser cassado, esteve no Estado somente uma vez, ao visitar a Aracruz Celulose.

Já Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que apoia o principal concorrente de Dilma Rousseff na sucessão presidencial, José Serra, esteve duas vezes no Espírito Santo. Na primeira vez, ficou 15 minutos na pista do Aeroporto de Vitória, em Goiabeiras, onde foi recepcionado pelo então vice-governador Renato Casagrande – na ocasião, o governador era o petista Vitor Buaiz. Na segunda visita, FHC ficou cerca de duas horas, ao inaugurar uma escola em Vila Velha.

“Se Renato (Casagrande) ganhar, ficarei muito feliz. Se Ricardo Ferraço ganhar também uma das vagas ao Senado, a alegria será mais completa. Agora, vai ser uma vergonha muito grande se Dilma perder para José Serra no Espírito Santo”, disse Magno Malta.

Em janeiro de 2003, quando Lula assumiu a Presidência da República e Paulo Hartung dava o pontapé inicial para seu primeiro mandado no Espírito Santo, o Estado estava endividado e os servidores públicos estaduais com salários atrasados.
Foi aí que entrou a bancada parlamentar capixaba, que repassou a Lula a real situação dos cofres públicos do Estado. O Presidente veio ao Espírito Santo e anunciou para Paulo Hartung que iria antecipar o dinheiro dos royalties para o governo quitar as dívidas e começar a tirar o Espírito Santo da situação de “penúria” deixada pelo governo anterior:

“Vocês se lembram quem era a ministra de Minas e Energia?”, perguntou Magno Malta à plateia presente ao lançamento da campanha dele, de Casagrande e de Ricardo Ferraço.

“Era dona Dilma Rousseff. Questionada pelo presidente Lula, ela disse que o Espírito Santo era rico em riquezas minerais e autorizou o adiantamento dos nossos royalties. Dilma disse para Lula: ‘Faça (adianta o dinheiro pedido por Hartung) que vai dar certo’. E deu certo: o Espírito Santo, ao longo desses quase oito anos, cresceu mais do que a média nacional”, sustentou Magno Malta.

“Se minha mãe (dona Dadá) estivesse viva, chamaria Lula de ‘meu filho’. Sabem por que: Lula e a Dilma encontraram o Brasil com 40 milhões de miseráveis, gente passando fome. Eles já conseguiram retirar mais de 20 milhões de brasileiros da miséria, depois da criação do Programa Bolsa Família”, frisou o senador.

“Eles (Serra e os tucanos) falam hoje que o Bolsa Família é esmola. Eles passaram oito anos no poder e não tiveram coragem de dar esmola ao povo. Hoje, Serra diz que vai melhorar o Bolsa Família. Se Serra pode melhorar o programa, porque a Dilma, que o criou, não pode fazer melhor?”, questionou Magno Malta.

“Portanto, meus amigos, se Dilma Rousseff perder a eleição aqui no Espírito Santo, será uma grande vergonha para nós”, emendou o senador.

Magno Malta garantiu ainda que hoje muitos criticam o fato de o Espírito Santo não possuir um aeroporto à altura de sua importância. Ele lembrou, entretanto, que o presidente Lula liberou dinheiro para a reforma e ampliação do Aeroporto de Goiabeiras.

“Nós, parlamentares, fizemos muita pressão para o governo federal liberar recursos financeiros para obras no aeroporto. Lula liberou, mas os empresários gananciosos superfaturaram a obra e o Tribunal de Contas da União acabou suspendendo as obras. Portanto, a culpa não é do Presidente”, afirmou Magno Malta.

Ele pediu votos para Renato Casagrande, na disputa ao governo capixaba. “Renato tem origem no campo. É filho de lavrador. O pai de Renato tem muitas terras...Terras nas unhas, de tanto trabalhar. Tenho certeza absoluta: o governador Paulo Hartung arrumou muito bem a casa; Renato Casagrande, depois de eleito, vai cuidar dos moradores”.

Magno Malta ressaltou também a importância do eleitor no pleito de 3 de outubro. Disse que o povo poderá votar em dois candidatos: ele e Ricardo Ferraço.

“Sou candidato à reeleição. Minha luta é pela vida, em favor das crianças. A CPI da Pedofilia, que estou presidindo, abalou os alicerces do mundo, com denúncias de pessoas que abusam sexualmente de crianças. Sobre Ricardo Ferraço, ele já provou que é um excelente gestor. Pelo amor de Deus, votem no Ricardo Ferraço e em mim. Se vocês votarem em outro candidato ao Senado, que não seja um de nós dois, vocês estarão apoiando quem é contra Renato Casagrande”,concluiu Magno Malta.
Fonte: Assessoria de Imprensa
Brasília-DF // Esplanada dos Ministérios - Senado Federal - Ala Tancredo Neves, Gabinete 57
Telefone: +55 61 3303-4161/1656
E-mail: magnomalta@senador.gov.br

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADE
CONECTE-SE A NÓS